30 de dezembro de 2016

Filmes e Livros de 2016

2012201320142015

Aham, eu também achei que nesse ano não teríamos um resumão, mas pelo visto nos enganamos. Não que 2016 tenha sido assim, uma Brastemp*. Até a minha estante sofreu com a crise e vocês logo irão ver que eu, realmente, não tive muito tempo para me divertir. A lista, ainda mais se comparada com a de 2015, é uma vergonha.

* eu preciso parar de usar essa expressão. A nova geração nunca entende do que estou falando e a titia acaba passando vergonha. 

Filmes:
C.O.G (2013) ★★
A Pedra da Paciência (2012) ★★★
Awake: A Vida de Yogananda (2014) ★★
Amy (2015) ★★
Mesmo se Nada der Certo (2014) ★★★
Bajirao Mastani (2015) ★★★
Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977) ★★
Chef (2014) ★★★
Ele Está de Volta (2015) ★★★
Amor a Toda Prova (2011) ★★★
Quanto Mais Quente Melhor (1959) ★★★
Meu Nome é Khan (2010) ★★★★
127 Horas (2010) ★★★
O Som e a Fúria (2014) ★★★
Contato (1997) ★★
Sete Dias Sem Fim (2014) ★★★
A Entrevista (2014) ★★★
Fed Up (2014) ★★★
Corações Sujos (2012) ★★★
Ran (1985) ★★
Doutor Estranho (2016) ★★★
Clube da Luta (1999) ★★★
Livros:
O Festim dos Corvos, George R. R. Martin ★★★
A Dança dos Dragões, George R. R. Martin ★★★★
Roube Como um Artista, Austin Kleon ★★★
Aristóteles e Dante (...), Benjamin Alire Sáenz ★
Cândido ou o Otimismo, Voltaire ★★
A História da Humanidade (...), Stefan Cunha Ujvari ★★
Breve História de Quase Tudo, Bill Bryson ★★★★
Comida e Sociedade, Henrique Carneiro ★★
Os Governantes Mais Insanos, Michael Rank ★
Garranchos, Graciliano Ramos ★★
A Carne e o Sangue, Mary Del Priore ★★
Alucinadamente Feliz, Jenny Lawson ★★★
A Vida Imortal (...), Rebecca Skloot ★★★★
A Assinatura de Todas as Coisas, Elizabeth Gilbert ★★
Como ser Mulher, Caitlin Moran ★
Sobre Homens e Lagostas, Elizabeth Gilbert ★★
O Poder da Arte, Simon Schama ★★★
História do Novo Sobrenome, Elena Ferrante ★★★
Manual Anti Autoajuda, Oliver Burkman ★★★★
A Mulher que Escreveu a Bíblia, Moacyr Scliar ★
Contato, Carl Sagan ★★★
Sete Dias Sem Fim, Jonathan Tropper ★★★
Musashi I, Eiji Yoshikawa ★★
Musashi II, Eiji Yoshikawa ★★

12 de dezembro de 2016

Um empurrão, com carinho

Às vezes, tudo o que a pessoa precisa é de um empurrão, e com “empurrão” eu quero dizer as duas mãos espalmadas nas costas, dando um impulso que leva o sujeito lá para a semana que vem. É desse tipo de empurrão que precisamos volta e meia na vida, mas são poucos aqueles que tem a coragem de nos dar. O que é um baita problema, se você parar para pensar, pois na maioria dos casos essa é a única alternativa para sairmos do lugar.


Eu acredito que seja necessário, em alguns casos, nos mexermos fisicamente para que alguma coisa mude na nossa vida. Minha psicóloga costumava me aconselhar a esticar os braços e me alongar quando sentisse vontade, numa experiência física ao sair da casca na qual me meti. Funcionava. Era possível sentir a casca se quebrando. Nossa mente é um poço profundo – a gente joga uma pedra lá dentro aos dez anos e ela só ecoa aos trinta.

Não que eu tenha levado um empurrão. Na verdade, ninguém é louco de me empurrar. Eu sou capaz de revidar com uma cavadeira porque ignorância é a minha essência. O meu empurrão tem sido mais psicológico, e desse não posso me vingar porque o Exodus não deixa. Mas já tive empurrões físicos, do tipo “VAI”, que me fizeram engolir bastante água, mas no fim me ensinaram a nadar.

Não estou dizendo para você deixar as pessoas te empurrarem. Se acontecer, pelo contrário, te aconselho a revidar com uma bifa, daquelas que deixam a pessoa sem saber de onde veio. Mas se alguém fizer na intenção de forçá-lo a passar por uma porta, para conversar com alguém, pular em um rio de águas geladas, ou entrar em um palco: agradeça. 

Existem empurrões que mudam a sua vida.